Lado músico – Violino

Uma amiga nova, Desiree, vulgo Desy(com permissão para chamá-la assim), pediu para eu contar sobre minha história com violino. Comecei a escrever, ficou grande e resolvi por no blog.  Vamos ver se com o tempo vou revelando minhas facetas, no bom sentido. Abaixo o relato:

Voltemos aos remotos tempos de quando eu tinha sete anos. Nessa época eu ganhei um violino de presente de aniversario do meu  pai. Meu pai é maestro e creio que fosse como um sonho para ele que eu tacasse violino. Para não deixar meu irmao na vontade, ele tambem ganhou um violino e ambos comecamos a estudar. Comecei a fazer aula pq ele queria. Eu odiava. Tanto eu quanto meu irmao apanhavamos por nao querer estudar violino. Meu irmao nao aguentou e depois de um ano largou o violino. Eu continuei mais por solidariedade com o meu pai. Passei muito tempo tocando violino sem gostar. Estudava pouco e crescia pouco musicalmente. Em comparacao com as criancas da minha idade que faziam aula na escola eu ia super bm, mas era soh por causa da musicalidade herdada geneticamente, mas nao crescia tecnicamente. Isso eu vim a descobrir em um curso de ferias. Fui fazer o curso de férias. Era a primeira vez que eu ia fazer um. Eu tinha 12, 13 anos na época. Fui inscrito na turma avançada. Eu era o mais novo da sala. O segundo mais novo tinha 18 anos. Aulas em curso de férias funcionam assim. Voce apresenta o que toca para o professor na frente de toda a sala te olhando. O professor pediu para que eu tocasse varias musicas de um livro. Musicas que eu ainda nao havia estudado. Entao ele me disse que musicalidade eu tinha. Podia ler e tocar o que eu quisesse, mas meu som era um lixo. Disse que eu nao tinha tecnica. Senti-me muito mal nesse dia, afinal fui “esculachado” na frente de um monte de pessoas que eu nao conhecia. Nesse dia prometi para mim mesmo que iria estudar para mostrar para ele que eu tinha tecnica. Esse curso de férias foi marcante ao ponto de não lembro por qual cobrança que meu pai fez que eu entendi que eu não dava orgulho para ele e disse para ele que um dia ele sentiria orgulho por ter um filho violinista. Depois desse curso de férias minha forma de estudar violino mudou bastante. Comecei a me esforçar mais e sentir gosto pelo estudo. Comecei a dar aulas de violino com 15 anos. Cheguei ao numero de 12 alunos. Não era um numero muito grande, mas consideravel para mim naquela época. Mudei de professor e estava crescendo bem e rapidamente até que fui desacreditado pelo meu professor por motivos que nao merecem ser comentados. Nesse ponto minha vida tomou outro rumo. Fui para área de exatas, que posso outra hora contar o porque desse rumo.

Hoje toco violino por gostar de tocar mesmo. Toco em casamentos e eventos em gerais. Já toquei violino em bandas onde eu cantava. Posso dizer com certeza que sou apaixonado pelo o instrumento que eu toco. Apaixonado pela música em suas diversas formas. A música é o complemento para quando carece a expressividade das palavras.Muitos músicos podem dizer que estou deturpando o meio, mas se hoje me pedirem para fazer um som para pessoas que querem realmente queiram escutar vou para qualquer lugar sem precisar de remuneração. Faço música pois sou apaixonado por isso.

Reduzi algumas partes da historia a fim de ser questionado pessoalmente sobre mais detalhes. Palavras em um meio virtual sao frias para expressar tais coisas.

Forte Abraço.

PS.: Esse post não faz parte dos “posts diários”

1 Comment

  1. Ramb00
    December 20, 2008

    mano… depois eu comento pessoalmente

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *